PAINEL 16

1. CLEO DE MERODE (1881-1967). C.p. com o perfil da célebre dançarina. Pintado a mão. Ed.N.P.G. Berlim. Fot. Reutlinger, Paris. Circa 1901.
2. CLEO DE MERODE. C.p. pintado a mão. Ed. N.P.G. Fot. Reutlinger.
3. CLEO DE MERODE. C.p. com efeitos em purpurina.
4. CLEO DE MERODE. C.p. pintado a mão.
5. CLEO DE MERODE. C.p. pintado a mão e com enfeites em purpurina. Ed. N.P.G. Fot. Reutlinger.
6. CLEO DE MERODE. C.p. pintado a mão e com enfeites em purpurina. Ed.N.P.G. Fot. Reutlinger. Postado em 1905.
7. CLEO DE MERODE. C.p. com assinatura fac-similada. Pintado a máo e com enfeites em purpurina. Ed. S.I.P. Fot. Reutlinger.
8. CLEO DE MERODE. C.p. dourado com o retrato da dançarina aplicado. Pintado a mão. Postado em 1903.
9. CLEO DE MERODE. C.p. com assinatura fac-similada. Pintado a mão. Ed.N.P.G. Fot Reutlinger.
10. CLEO DE MERODE. C.p. com assinatura fac-similada. Pintado a mão e com enfeites de purpurina. Ed. S.I.P. Fot. Reutlinger.
11. CLEO DE MERODE. Fot. Reutlinger.
12. CLEO DE MERODE. C.p. com assinatura fac-similada. Pintado a mão e com enfeites em purpurina. Ed. S.I.P. Fot. Reutlinger, Paris. Postado em 1º de janeiro de 1905.

12


CLEO DE MERODE

        Cleo de Merode exerceu fascínio e inspiração na virada do século. Amante do Rei Leopoldo II da Bélgica, quase 46 anos mais velho, nem mesmo encontros clandestinos esconderam da vida mundana européia e das manchetes dos jornais seu escandaloso romance.
        Diane Cleopatre de Merode nasceu em Paris em 1881 e foi prematuramente celebrizada por sua beleza. Sua notoriedae e seu afastamento voluntário da Escola de Balé da Ópera em 1899, interromperam seu treinamento e impediram de firmar-se como bailarina clássica.         Como uma grande atração passou, então, a se apresentar nos mais famosos teatros de variedades europeus, com numeros de dança oriental e grega, obtendo sucesso absoluto até se retirar de cena nos últimos dias da Primeira Guerra Mundial.
        Incansavelmente fotografada e apreciada nas páginas diárias da moda parisiense e nos cartões-postais que percorriam o mundo, precedendo e aumentando sua fama, curiosamente seu penteado característico originou maliciosos comentários. Para uns a célebre dancarina teria orelhas grandes, por isso sempre os ocultava sob os cabelos. Para outros as haveria perdido como castigo em alguma aventura amorosa.
        Personagem e testemunha da Belle Epoque, Cleo de Merode escreveu um livro de memórias intitulado "Le Ballet de Ma Vie", publicado em Paris em 1955. Longe dos infinitos prazeres de sua juventude, faleceu na propria capital francesa em 1967.


CLEO DE MERODE

        Cleo de Merode exerted her charm and fascination at the turn of the century. Not even the secrecy of her clandestine meetings with her lover, King Leopold II of Belgium, almost 46 years older, could hide from European mundane life and newspaper headlines her scandalous romance.
        Diane Cleopatre de Merode was born in Paris in 1881 and was prematurely celebrated for her beauty. Her notoriety and her voluntary withdrawal from the Opera Ballet School in 1899, interrupted her training and prevented her from becoming a classical ballerina. She then began to appear as a great atraction in the most famous European Vaudeville Theatres, showing several numbers of Oriental and Greek dances, makings absolute success until she retired during the last days of the First World War.
        Tirelessly photographed and appreciated in the fashion pages of the Parisian papers and postcards that circled the world, her characteristic hair do raised malicious comments. For some, the famous dancer had large ears, hiding them under her hair; for others she had lost them as a punishment for a love affair.
        Both a character and a witness of the Belle Epoque, Cleo de Merode wrote a book o memories intitled "Le Ballet de Ma Vie", published in Paris in 1955. Far away from the endless pleasures of her youth, she died in the French capital in 1967.

        
<< painel anterior
[Painéis]
painel seguinte >>